Primeiras-impressões-quase-flash-review de Civilization Revolution

Sid Meiers Civilization Revolution

Já jogou Civilization? Já? Eu não. Nunca tinha jogado os de PC, mas resolvi me aventurar no de DS. E em alguma hora da noite em que meu corpo exigia que eu dormisse, olhei para aquela capa estranha, a capa estranha olhou para mim… e lá vou eu testar mais um jogo de estratégia do DS, dentre os poucos existentes.

Quando vou começar o jogo num mapa aleatório, vejo aquelas trocentas civilizações diferentes e me lembro que esse é um jogo de estratégia, em turnos, em que uma partida leva horas, muitas horas, para terminar. Aí bateu uma brisa gelada de desânimo, mas como não estava a fim de zerar o Soul Bubbles (é, eu não zerei ele ainda) e tinha cansado de jogar Doodle Hex, resolvi que começaria a jogar uma partida, para ver se o jogo me convenceria a ficar acordado por mais algumas dezenas de minutos.

Convenceu. E por muitas dezenas de minutos. Nem me lembro a que horas fui dormir. Só parei de jogar porque uma luz vermelha interrompeu minha concentração no jogo, era a luz que indica que a bateria está pedindo arrego, hora de carregar o DS.

Mas então, voltando ao jogo. Como nem terminei a minha primeira partida ainda (estou a horas na mesma), vou citar as coisas de sempre bem brevemente.

Os gráficos são aceitáveis. Poderiam ser bem melhores, mas não chegam a encomodar. Então, para um jogo de estratégia, está suportável. E você, ao menos que seja muito chato, acabará nem reparando muito neles.

O som tem só o básico, nada a mais. Sonzinhos nas coisas importantes, vozes irritantes para os líderes inimigos.

A facilidade do uso dos botões é boa, mas tem horas que ela atrapalha, como nos casos em que a função do botão muda sem dar sinal e eu acabava fazendo o que não devia. Dá para jogar com a stylus também, o que ajuda um pouco.

Ah, tem os slowdowns, para atrasar um pouquinho mais o jogo. Nada que atrapalhe tanto à ponto de se tornar insuportável, afinal é um jogo em turnos, mas eles irritam, e vão se tornando mais freqüentes conforme você avança no jogo e todo mundo vai tendo mais áreas dominadas, mais ações, mais exércitos, mais regiões descobertas. Mas isso não é motivo para ter slowdown. Ponto negativo.

No geral, o jogo me agradou muito, mais do que o Anno 1701. E eu que não tenho muita paciência para partidas longas, me rendi aos encantos (ui!) desse ótimo jogo de estratégia do DS. Poderia ser melhor, mas não deixa de ser um ótimo jogo.

Teve também algumas pessoas que acharam o jogo péssimo, com gráficos cancerígenos e muitas limitações em relação ao original de PC. Como não ligo tanto para gráfico e nunca joguei nenhum dos Civilization de computador, não consegui achar tanto defeito. Para mim está bom. Não, está ótimo. Se você gosta de estratégia, leu este post e já está ciente dos pequenos defeitos e limitações do jogo, provavelmente vai gostar também.

Falow para vocês! Agora vou sentar a lenha nos malditos espanhóis que estão oferecendo trégua em troca do meu suado descobrimento da metalurgia. Trégua é o cacet*.

Advertisements

2 Responses to Primeiras-impressões-quase-flash-review de Civilization Revolution

  1. Itiro says:

    Hahaha!!! Boa…
    Você dá trégua, a metalurgia e depois leva o ferro!!! Kkkk…

  2. pedroion says:

    Mandou, Tronques.
    Você é melhor que eu nisso -.-‘

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: